Área do cliente:

Esqueci a senha

 
 
Escolha o Assunto
 
Com uma sólida infra-estrutura, prestamos assessoria na área Trabalhista, Civil e Família,  e Direito Imobiliário, o escritório se especializou no acompanhamento e controle de grandes volumes de ações judiciais, atendendo clientes nas mais diversas localidades e jurisdições do país.
Dentro deste princípio, o escritório de advocacia já desenvolve trabalho em tempo real com seus clientes, através da utilização de softwares corporativos de gestão, que permitem a emissão de pareceres on-line.
O seu problema é o nosso serviço! 
Deixe-nos resolve-lo por você...
Agende uma hora agora mesmo.
 
Faça seu cadastro e receba nossas notícias.
 
 
28
Jun
 
Últimas Notícias
TRT-3ª – Esposa de sócio não pode representar empresa como preposta

No recurso julgado pela 2ª Turma do TRT-MG, uma empresa foi considerada revel, sendo aplicada a ela a pena de confissão ficta. Isso significa que as alegações da parte contrária, contra as quais não havia prova expressa no processo, foram consideradas verdadeiras. Tudo porque a empresa enviou a esposa do sócio, ex empregada do estabelecimento, para representá-la na audiência em que deveria depor.

A ré protestou contra a aplicação da revelia e da confissão ficta, alegando que o artigo 843 da CLT não estabelece que o preposto tenha de ser, obrigatoriamente, empregado, exigindo apenas que este tenha conhecimento dos fatos. Condição essa, plenamente preenchida pela esposa do sócio, que manteve vínculo empregatício com a empresa por longos anos, sendo o seu desligamento da reclamada posterior à saída do reclamante. Pediu a declaração de nulidade da decisão e a reabertura da instrução processual.

Mas o desembargador relator do recurso, Luiz Ronan Neves Koury, não acatou esses argumentos: “Muito embora o art. 843, §1º, da CLT não faça referência expressamente acerca da qualidade do preposto, limitando-se a exigir que o mesmo possua conhecimento dos fatos, o C. Tribunal Superior do Trabalho tem entendido, salvo em casos excepcionais, que o preposto tem que ser empregado da empresa”, rebateu.

No caso, o desembargador seguiu a orientação expressa na Súmula 377, que assim dispõe: “PREPOSTO. EXIGÊNCIA DA CONDIÇÃO DE EMPREGADO (nova redação) – Res. 146/2008, DJ 28.04.2008, 02 e 05.05.2008 – Exceto quanto à reclamação de empregado doméstico, ou contra micro ou pequeno empresário, o preposto deve ser necessariamente empregado do reclamado. Inteligência do art. 843, § 1º, da CLT e do art. 54 da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro

Leia Mais
 
Mais Notícias
Leia Mais
 
Áreas de atuação Artigos Notícias Processos Equipe Contato
 
Avenida Cupecê, 4.191 – Conjunto 18 – Jd. Prudência – São Paulo/SP – CEP: 04365-001
Telefone: 11- 5677-2194 | E-mail: leandro_marcondes@aasp.org.br

WEBDESIGN - Masters da Web
site link